0
0
0
s2sdefault

PADROEIRA

Muitos séculos antes da Igreja Católica proclamar o dogma da Imaculada Conceição de Maria, o povo já reconhecia a pureza da Mãe de Deus, concebida sem a mancha do pecado original e celebrava sua festa a 8 de dezembro.

Segundo a tradição Nossa Senhora apareceu a várias pessoas confirmando a sua Conceição Imaculada e, após a proclamação do dogma pelo Santo Padre Pio IX, Maria Santíssima deu-se a conhecer em Lourdes a Bernadette Soubirous dizendo: "Eu sou a Imaculada Conceição."

Em Portugal, Nossa Senhora da Conceição possuía grande número de devotos quando seu culto foi oficializado por D. João IV, primeiro rei da dinastia de Bragança, que fora aclamado a 1° de dezembro de 1640, data em que se iniciava a oitava da festa da Imaculada Conceição. Seis anos depois, com a aprovação das Cortes de Lisboa, ele dedicou à Virgem Imaculada o reino português. Em todo o território lusitano, assim como em suas colônias, a festa da Conceição de Maria tornou-se oficial e obrigatória, tendo sido cunhadas, em seu nome, moedas de ouro de 12 mil réis e outras de prata no valor de 450 réis. O solar da Santa Padroeira é Vila Viçosa, que deu seu nome a uma ordem honorífica instituída por D. João VI em 1818, com a denominação de Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.

No Brasil a imagem da Virgem da Conceição chegou em uma das naus de Pedro Álvares Cabral. Ela representa Maria Santíssima de pé sobre o globo terrestre, tendo as mãos unidas em oração e os olhos voltados para o céu, esmagando com seus pés uma cobra, símbolo do pecado original. * Os frades franciscanos foram os propagadores desta devoção que se espalhou de norte a sul, pois existem cerca de 375 paróquias a ela dedicadas. Em todas as localidades por onde passaram os filhos de S. Francisco foram construídos templos sob o orago de Nossa Senhora da Conceição, sendo Ela a padroeira de vários Estados brasileiros.

Dizem que na primeira igreja da América do Sul dedicada a esta invocação foi a pequena ermida de Itanhaém, uma das três povoações fundadas por Martim Afonso de Sousa durante o período de ano e meio que passou na capitania de São Vicente da qual era donatário. As ruínas da antiga capela, cuja localização foi escolhida pelo próprio fidalgo português, existem ainda na praia de Peruíbe, local denominado Aldeia Velha e são anualmente visitadas por numerosos turistas.

A primeira igreja dedicada a esta invocação erguida em terras brasileiras ao norte do Rio São Francisco parece ter sido a da vila de Itamaracá, então pertencente à capitania do mesmo nome e depois integrada ao território pernambucano. A própria sede da extinta capitania ficou sendo chamada Vila Conceição ou Vila Marial.

Devido ao desenvolvimento da Vila de Itanhaém, a antiga aldeia foi abandonada e, com o passar do tempo, o telhado da primitiva capela ameaçava ruir, por isso suas alfaias e imagens foram transferidas para a Matriz de Santana na cidade. A velha efígie da Virgem da Conceição, que permanece até hoje na igreja Santana, parece ser a santa enviada de Portugal por Martim Afonso de Sousa e a verdadeira Virgem de Anchieta, diante da qual o santo sacerdote orava fervorosamente e várias vezes permanecia em êxtase, encontrando nesta devoção o melhor conforto espiritual em meio às tribulações. Após uma vida dedicada ao amor ao próximo e à conversão do gentio, o santo jesuíta entregou a alma a Deus sob a proteção da Virgem Imaculada, cuja imagem jamais abandonava em todas as suas andanças pelo Novo Mundo.

Na Bahia este culto teve início em 1549, quando Tomé de Sousa chegou a Salvador trazendo uma escultura da Santa. A ermida, construída na praia, foi depois substituída por uma edificação mais sólida em 1765, toda em pedra de lioz, que dizem ter vindo pronta de Portugal e apenas montada no Brasil. A igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia é uma das mais populares da capital baiana e sua festa é muito concorrida, celebrando-se no dia 8 de dezembro a missa cantada, precedida de novenário e festejos na praça, com barracas e pratos típicos, alegrada por exibições de capoeira e samba de roda, pois seu culto é sincretizado com o de Iemanjá, a rainha da Praia é muito imponente em seu interior, possuindo magnífico trabalho de talha, uma admirável pintura no texto executada por José Joaquim da Rocha, um belo altar de prata maciça trabalhada e o maior conjunto sonoro do país, com 16 sinos, sendo 9 de carrilhão. Nossa Senhora da Conceição da Praia foi proclamada solenemente em 1971 a Padroeira oficial do Estado da Bahia.

No Estado do Rio temos a lendária Nossa Senhora da Conceição de Angra dos Reis, cuja imagem, passando por aquele porto, acabou ali permanecendo definitivamente. O navio que a conduzia, querendo seguir viagem, por três vezes arribou o ancoradouro e a Câmara da cidade, vendo nisto um milagre, resolveu comprar a efígie e a constituiu como protetora da vila.

No Rio Grande do Sul encontramos também a bonita lenda da Senhora da Conceição do Arroio, encontrada nos montes do capão do arroio, que banha a atual cidade de Osório. Esta imagem por várias vezes desapareceu do nicho que lhe fora reservado na igreja da vila vizinha voltando ao lugar onde havia aparecido. Finalmente foi construída no local uma pequena capela em torno da qual se iniciou a povoação de Nossa Senhora da Conceição do Arroio, terra natal do grande chefe e herói da Guerra do Paraguai Manuel Luís Osório Marquês do Herval.

A Virgem da Conceição é um dos oragos mais comuns em Minas Gerais, figurando não somente em pequenas capelas, como nas mais ricas e bonitas igrejas setecentistas, quando a descoberta do ouro permitiu o desenvolvimento da arte religiosa na província. Entre os templos mais interessantes desse período não podemos deixar de mencionar os de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias (Ouro Preto), da autoria de Manuel Francisco Lisboa, pai do Alejadinho, onde o nosso genial artista trabalhou e foi enterrado; Nossa Senhora da Conceição de Sabará, que parece ter sido a primeira matriz daquela cidade; Nossa Senhora da Conceição de Catas Altas, de Mariana, de Guarapiranga, etc.

Não existe uma só capela filial ou ermida e matrizes de outras invocações onde não exista altar da Virgem da Conceição no Estado das Alterozas.

Após ter sido protetora de nosso país no período colonial, a Senhora da Conceição foi proclamada por D. Pedro I, ilustre descendente da dinastia de Bragança, Padroeira do Império Brasileiro. Com o advento da República e já no desponder do século XX, Ela cedeu o seu lugar a Nossa Senhora Aparecida, atual Rainha e Padroeira do Brasil, que é uma antiga imagem da Imaculada Conceição encontrada nas águas do rio Paraíba do Sul.

ICONOGRAFIA

Nossa Senhora, sobre o globo terrestre, esmaga com os pés uma cobra, símbolo do pecado original. Ela está de mãos juntas em atitude de oração e tem os cabelos longos caídos sobre os ombros. Usa uma túnica branca e um manto azul, e muita vezes se apresenta com uma coroa real. Sob seus pés aparece geralmente um crescente de lua sendo que às vezes a Senhora pisa sobre ele e a cobra envolve a terra. Em algumas imagens, sob os pés da Virgem surgem cabeças de anjos.

A lua que aparece quase sempre sob os pés da Senhora da Conceição simboliza a substância passiva, que guarda em seu seio os raios do Sol. Por esse motivo é também o símbolo de Maria, que guardou em seu seio Jesus, o Deus Encarnado.

 

Benfeitores

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

  • Praça Cônego Bernardo Machado dos Santos, 53
  • Viamão - RS
  • (51) 3485.1515