0
0
0
s2sdefault

Esperança… apesar de tudo!

Já chegamos ao mês de dezembro, as campanhas e publicidade de Natal estão na mídia e nas ruas desde novembro e vamos acompanhando o cenário político e econômico de nosso País cujo contexto ainda apresenta-se bem conturbado e talvez longe de uma serenidade ou estabilidade que até pouco tempo nos dava orgulho. São tempos difíceis e de aperto no cinto, porém, também não podemos cair num sentimento negativista e pessimista achando que tudo está perdido e nada mais vai dar certo. É preciso sempre levantar a cabeça e contemplar o horizonte não apenas com a atitude passiva de esperar dias melhores e que a tempestade passe, mas com o firme propósito desde agora, pessoal e comunitariamente, de buscarmos sempre a transformação de nossas vidas. Neste sentido o período do Natal, com a crise que estamos vivendo, poderá servir exatamente para retomarmos aquele espírito mais original de celebração do nascimento do Menino Jesus. Quem sabe retomar o dom da fé que nos foi dado no Batismo a fim retomarmos os valores mais nobres e significativos da vida humana. O Povo Hebreu no Antigo Testamento viveu uma sequência de crises e não obstante as constantes dominações que sofreram dos impérios estrangeiros em 135 dC foram expulsos definitivamente da Judéia. Voltaram quando? Somente no século passado, mais especificamente em 1947 quando então se tornaram uma nação, que passou aos poucos a ser reconhecida pelos demais países. E ainda hoje vivem num verdadeiro caldeirão chamado Oriente Médio.

Os Apóstolos e discípulos de Jesus também não escaparam de crises mais ou menos permanentes para entender o que o Mestre de Nazaré ensinava. Na verdade, só depois da morte e Ressurreição de Jesus é que os seus olhos da fé se abriram e aí não só entenderam a mensagem do Filho de Deus como também se dedicaram de corpo e alma à missão de evangelizar todos os povos. E, novamente a Igreja nascente teve que passsar por quase 4 séculos por perseguições ferrenhas perpetradas pelo Império Romano que veio a ruir por volta de 476. E hoje? Que mundo está aí? Cheio de contradições e talvez longe ainda do paraíso sonhado na Terra. Mas, todo o desafio permanente que está no nosso cotidiano não tem o objetivo de nos desanimarmos e sim de nos provocar para uma caminhada ainda maior de amadurecimento. Com certeza, esta é sempre a lição de qualquer crise, não se trata só de mudar o mundo fora, o ambiente externo, a política e a economia, os outros. A mudança passa em primeiro lugar por cada um de nós. E ela se faz com espírito de fé e esperança. Talvez, o Natal não vai ser de muitos presentes, espumante, peru assado e regalias mais que até recentemente estavam em nossos lares. Mas, pode ser um Natal de coração verdadeiramente cheio do que o Menino Jesus continua oferecendo para nós. Então, apesar de tudo a esperança continua brilhando no horizonte de nossas vidas. E ela tem um nome: Jesus Cristo.

 

Benfeitores

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

  • Praça Cônego Bernardo Machado dos Santos, 53
  • Viamão - RS
  • (51) 3485.1515